SOBRE

Descrever-me não é de todo o meu forte. O que posso dizer é que sou mais sonhos do que pessoa e talvez isso explique porque me distraio tão facilmente. E que acredito que nós, como seres humanos, somos naturalmente bons

mas que estamos esquecidos disso.

Iniciei a minha transição para o vegetarianismo (e, posteriormente, para o veganismo) aos 18 anos, quando deixou de me fazer sentido afirmar gostar de animais enquanto eles sofriam e morriam para satisfazer as minhas vontades. Descobrir o veganismo também foi descobrir as imensas acções especistas que acabamos por cometer inconscientemente — mas, acima de tudo, como é tão fácil rejeitá-las e abraçar um princípio prático de não-violência.

Este espaço nasceu pela vontade de descortinar o que permanece deturpado relativamente aos direitos de todos os animais. Aqui escreve-se sobre tudo um pouco, desde artigos científicostextos filosóficos alternativas para um quotidiano sem exploração animal. Em suma, trata-se de um compromisso ético para com os animais não-humanos, com o simultâneo objectivo de comprovar a evolução social e pessoal que podemos usufruir ao preocupar-nos mais com eles.

O Quebra do Silêncio está bem longe de ser um guia do veganismo, mas fi-lo com o intuito de informar, de sensibilizar e de mostrar como todos nós, enquanto seres sencientes, devemos ser respeitados como tal.


Porque um coração que bate é um coração que sente
E todos os corações merecem o sopro da vida❤